quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Especulações genealógicas sobre as primeiras três gerações dos Amaral Gurgel

Em momentos passados havia descrito aqui no blog Meu Sangue Brasileiro a descendência do casal tronco Toussaint-Domingas até a geração de seus netos, todavia, me surgiram novas suposições (um dos focos desse blog).

João Batista Gurgel Jordão (1643-1729), se casou em 1673 com Mônica de Oliveira, e o seu irmão, o Dr. Cláudio Gurgel do Amaral (1654-1716), se casou em 1684 com Ana Barbosa da Silva, filha de Thomé da Silva e Antônia de Oliveira.

Teria Mônica de Oliveira sido também filha do casal Thomé da Silva e Antônia de Oliveira? Para mim isso faz sentido, tendo em vista que os irmãos Dr. Cláudio e João se casaram com mulheres ligadas de alguma forma a tais sobrenomes. Vale mencionar que nem sempre naqueles tempos, os filhos tinham os mesmos sobrenomes dos pais ou dos irmãos. Não esquecendo que havia um antigo costume de casar membros de uma mesma família com membros de uma outra família, como a suposta suposição acima descrita: dois irmãos casados com duas irmãs.

Isabel Gurgel Jordão (1650-?), foi casada em 1665 com o português João Campos de Matos (1642-?), filho de Manoel de Matos e Maria Rodrigues. A irmã de Isabel, Ângela Gurgel Jordão (1651-?), foi casada com Francisco Correia Leitão (1644-?), filho de Braz Correia Leitão e Maria de Matos.

Teria Maria de Matos tido algum grau de parentesco com Manoel de Matos (e quem sabe não tenha sido sua irmã)?
Teria Braz Correia Leitão tido algum grau de parentesco com o 3º Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, Salvador Correia de Sá?

Maria Gurgel do Amaral (1694-?), foi casada com David Lopes de Barros (1681-?).
Teria David tido algum grau de parentesco com Cristóvão de Barros, 4º Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro?

Tais possibilidades não devem ser descartadas se considerado que tanto Salvador quanto Cristóvão, governaram a capitania onde surgiu a família Gurgel do Amaral ou Amaral Gurgel.
E que muito provavelmente, Salvador e Cristóvão constituíram família na capitania que governaram.

Antônia de Jesus Amaral e Silva, foi casada com Simão Correia Cabral (?-1710).
Teria Simão Correia Cabral sido parente de Braz Correia Leitão e também de Salvador Correia de Sá?

Helena da Conceição Nunes do Amaral (1683-?), foi casada com Baltazar da Fonseca Homem (1673-?), filho de Baltazar Pires Chaves e Maria da Fonseca. A tia-avó de Helena, Maria do Amaral Gurgel (1607-1671), foi casada primeiramente em 1621 com Antônio Ramalho, filho de Francisco Ramalho e Maria Mendes. Ficando viúva, foi casada em segundas núpcias em 1634 com o Capitão Diogo da Fonseca (1604-1686), filho de Francisco Alves da Fonseca e Paula Rodrigues.

Teria a sogra de Helena, Maria da Fonseca tido algum grau de parentesco com o Capitão Diogo da Fonseca, segundo marido da sua tia-avó (e quem sabe tenha sido sua neta)?

Bartolomeu Nogueira (1655-?), se casou com Maria Martins, filha de Domingos Martins e Maria Rodrigues.

Antônia do Amaral (1651-?), foi casada com Gonçalo de Castro Peixoto. Enviuvando, foi casada em 1676 com o Capitão Antônio Rodrigues Tourinho, filho de Domingos Rodrigues e Antônia Tourinho.
Teria a sogra de Bartolomeu, Maria tido algum grau de parentesco com o Capitão Antônio Rodrigues Tourinho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário