segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Interpretando as entrelinhas do Capitão André de Souza Cunha

Acho que poucos genealogistas sabem disso, e irei enfatizar sobre esse fato nessa publicação: André de Souza Cunha (1675-1730) se casou duas vezes com membros da família Gurgel do Amaral ou Amaral Gurgel.
Antes de tudo quem foi ele?
André foi filho do casal Pedro Martins e Maria da Cunha, nasceu na Ilha Terceira, pertencente ao arquipélago português dos Açores, situado no Mar Atlântico perto do continente africano.
Se casou em primeiras núpcias em 1698 com (5.2.4) Joana Quaresma do Amaral, filha do Coronel Manuel Martins Quaresma (1633-1685) e (5.2.) Domingas do Amaral da Silva (1650-?). O Colégio Brasileiro de Genealogia confirma essa informação (http://bit.ly/2hclKHv).
E a folha 27 pertencente ao Livro II do Registro de Ordem Régias, datada de 01/05/1725, confirma que André teve a patente de Capitão.
O casal André-Joana teve apenas um filho conhecido por mim até então:
* 5.2.4.1. Cláudio Gurgel do Amaral;

Abreu (http://bit.ly/2f5LGEg) informa que em 09/09/1718, o Capitão André comprou de José de Matos Cardoso: uma chácara de 70,5 braças por 91$520 réis, que fez parte das 500 braças de terras pertencentes a Sebastião Pereira Lobo. José de Matos Cardoso as herdou de seu pai (João Cardoso Machado) quando partilhou a herança com sua irmã Catarina de Sena.

Numa outra publicação de Abreu (http://bit.ly/2wqgIl8), fica sub tendido nas entrelinhas que o Capitão André de Souza Cunha já não era vivo, tendo em vista que a sua segunda esposa já era viúva.
O Capitão André se casou em segundas núpcias com (7.2.3.) Maria Antônia do Amaral Gurgel e Bragança (1697-?), filha do português Tenente-Coronel Félix Corrêa de Castro Pinto de Bragança (1643-1707) e (7.2.) Maria do Amaral Gurgel Roxas (1649-?). O lusitano era filho de Antônio Corrêa Pinto de Bragança e Joana de Freitas.
O casal André-Maria Antônia teve apenas uma filha conhecida por mim até então:
* 7.2.3.1. Inácia Maria Gurgel Amaral (1715-?).

Conforme consta nessa publicação acima citada, em 09/09/1748, o filho do Tenente Caetano da Costa Coelho e Maria de Viegas Abreu, o Capitão Félix de Souza Castro vendeu terras para a viúva do Capitão Diogo de Souza Cunha. Portanto, as terras desse militar aumentaram em extensão devido a nova aquisição de sua esposa (viúva).

Em 11/12/1759, Maria Antônia fez uma escritura de dote para o seu genro, (7.2.1.3) o Capitão-Mór Domingos Viana de Castro (1711-1803) por ter se casado com a sua filha, Inácia. Esse dote consistiu numa chácara situada perto da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, no caminho que vai para o Catete, na vizinhança das terras de Antônio Moreira da Cruz e de terras de Diogo de Lima Cerqueira (que as tinha comprado do Tenente Caetano da Costa Coelho).
A referida chácara que foi dada como dote é a soma de todas as terras que pertenceram ao Capitão André de Souza Cunha.

Vale mencionar que Inácia e o Capitão Domingos eram primos, pois ele era filho do Tenente-Coronel Salvador Viana da Rocha (1644-1729) e (7.2.1.) Antônia Correia do Amaral (1677-1752). Tendo sido neto paterno do Capitão Domingos Gonçalves da Rocha e Francisca Antônia de Sousa, e neto materno do Tenente-Coronel Félix Corrêa de Castro Pinto de Bragança e (7.2.) Maria do Amaral Gurgel Roxas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário