domingo, 10 de setembro de 2017

Interpretando as entrelinhas do Capitão Diogo Cardoso de Mesquita

Diogo de Cardoso Mesquita se casou com Ana do Amaral Gurgel Fonseca (1636-1703), filha do Capitão Diogo Fonseca (1604-1686) e de Maria do Amaral Gurgel (1607-1671).
Antônio Carlos Jucá de Sampaio, em A produção política da economia: formas não-mercantis de acumulação e transmissão de Riqueza numa sociedade colonial (Rio de Janeiro, 1650-1750) disponível aqui (http://bit.ly/2xUQQKn), explica que durante o século XVII era relativamente comum dar "partidos de cana" como dote de casamento, e que na sociedade fluminense desse período houveram nove casos noticiados (13,6%). Dentre, eles o de Diogo Fonseca para o seu futuro genro, o Sargento-Mór Diogo Cardoso de Mesquita em 1662.
Naquela época, era incomum os dotadores oferecerem um engenho (inteiro) para o novo casal. Seja o dote um engenho, "partidos de cana", imóveis (casas e terrenos), etc. Antropologicamente escrevendo (me corrijam se estiver errado), o dote era uma forma de estruturar o novo casal. E esse século (XVII) em relação ao anterior, já não era mais tão comum oferecer dotes relacionados a produção, tendo em vista que ocorria a mercantilização, e que não necessariamente, isso era "um declínio da ascendência da família da noiva sobre as atividades produtivas do noivo" (Muriel Nazzari).
A nomeação de militares na América portuguesa: Tendências de Império negociado (http://bit.ly/2jha9ve), de Miguel Dantas da Cruz fornece mais informações sobre Diogo:
  • Até 1625, prestou serviços militares em lugares da África;
  • No mesmo ano, prestou serviços militares na Bahia, Brasil;
  • De 1640 até algum período futuro indeterminado, prestou serviços militares no Ceuta (Sebta / سبت ) e Mazagão (atual El Jadida / الجديدة)
  • Era Capitão da Fortaleza de Santa Cruz da Barra do Rio de Janeiro;
  • Foi agraciado com o título de cavaleiro da Ordem de São Bento de Aviz;
  • E que nasceu no Reino de Portugal e dos Algarves;
Considerando os Arquivos do Histórico Ultramarino de Lisboa (http://bit.ly/2xfmCop):
  • Diogo foi nomeado capitão da referida fortaleza acima mencionada em 17/05/1663, pelo Governador-Geral do Brasil, Francisco Barreto de Meneses;
  • Em 20/04/1656, Diogo foi armado como cavaleiro da Ordem de São Bento de Aviz;
Em algum momento antes de 1688, o Capitão Diogo Cardoso de Mesquita, já era falecido. Tendo em vista que, Ana (já era viúva) junto com o Frei Manoel dos Anjos (da Fonseca) Nóbrega (irmão dela): venderam uma morada de casas e casinhas na Rua Cônego Amaro Ribeiro, bairro da Misericórdia para Manoel Gonçalves por 260$000 réis. As casas ficavam ao lado do imóvel do Capitão Gonçalo Teixeira Tibau. E as casinhas pequenas ficavam ao lado do imóvel do Coronel Francisco de Moura Fogaça. Ana herdou as casinhas do seu irmão, o Padre Francisco Álvares da Fonseca e também do seu pai, o Capitão Diogo da Fonseca, conforme Abreu (http://bit.ly/2jgGcvn).

Nenhum comentário:

Postar um comentário