sábado, 11 de janeiro de 2014

A fuga dos Gurgel do Amaral para o Nordeste do Brasil e um pouco mais de genealogia

¡Jajaja! Começo descontraindo por meio de palavras a primeira publicação desse ano, por causa do clima de paz de um novo ciclo que iniciou. E também por tá fazendo uma retrospectiva atrasada de fatos (:P), sem contar que o assunto que escreverei a seguir não é nada leve...
O clã dos Gurgel do Amaral ou Amaral Gurgel já era considerado potentado e influente no Brasil Colonial do século XVII. Por causa de tal prestígio (e claro) outros fatores (não tão bons), alguns membros dessa família passaram a ser odiados.
Um deles foi o Dr. Cláudio Gurgel do Amaral (1654-1716) que contraiu a inimizade do Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, Francisco Xavier de Távora (já comentado anteriormente).
O filho do Dr. Cláudio, o Alferes José Gurgel do Amaral (1688-1722) foi muitíssimo ofendido por João Manoel de Melo no começo de abril de 1716. No Domingo de Ramos, o ofensor e os acompanhantes foram encontrados na Igreja de Campo Grande, por José e seus amigos, e dentro da igreja ocorreu um confronto (:O), isso mesmo que você leu! E dentro do templo católico ocorreu um sangrento confronto que resultou na morte de João Manoel.
Vale mencionar que João Manoel era um dos preferidos (e também partidário) do Governador Francisco Xavier de Távora, e acrescido dessa observação há ainda o fato de o crime ter ocorrido dentro de uma casa de Deus, portanto não ficaria impune, ainda que José fosse membro de rica e poderosa família, afinal de contas o homicídio aconteceu em local sacro...
O Governador Francisco ao tomar conhecimento dos fatos, declarou réus de morte: José e seus amigos, e o Dr. Cláudio que nada sabia, se tornou uma vítima inocente da tragédia...
O Dr. Cláudio descansava despreocupado numa de suas muitas propriedades, a Chácara do Oriente, (não mais existente nos dias de hoje na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro). Ele teve o seu descanso interrompido porque a sua propriedade fora vasculhada.
Ainda que tenha sido padre (ele tomou ordens quando enviuvou), foi espancado barbaramente, e não resistindo aos ferimentos, veio a falecer na Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro no dia dezessete daquele mesmo mês...
Heitor Gurgel ainda comenta que na noite do dia 16 de abril de 1716 ás 11 da noite, Cláudio e o seu parente Padre Inácio Correa foram atacados (a tiros) de emboscada por um grupo de pessoas motivados pelas recompensas do Governador Francisco Távora.
Quanto a seu filho, José se tornou um foragido da lei, tendo sido acobertado por um de seus primos, o Coronel Francisco do Amaral Gurgel (1665-?), tão perseguido politicamente quanto o seu já falecido primo, o Doutor/Padre Cláudio (pai de José).
José foi capturado em um batismo na Vila Rica apenas dois anos depois de tais acontecimentos, tendo sido de lá levado para o Rio de Janeiro, para em seguida ser transferido para a Bahia, onde foi julgado e considerado culpado, tendo sido degolado num cadafalso no ano de 1722.
Tais acontecimentos acima descritos ocasionaram a fuga dos Amaral Gurgel/Gurgel do Amaral para o Nordeste, inclusive um artigo do RootsWeb Ancestry (http://bit.ly/2xGl8mR) reforça que há na memória familiar a lembrança de uma deserção.
Lembram quando escrevi isso?
"4.6.4. Maria Gurgel do Amaral (1694-?), foi casada com David Lopes de Barros (1681-?). Esse casal é considerado o tronco do ramo nordestino da família Gurgel do Amaral ou Amaral Gurgel."
Aldysio conta que Maria Gurgel do Amaral (1694-?) foi quem fugiu com a sua família para o Nordeste do Brasil.
Dando continuidade a tal linguagem, o casal David-Maria gerou apenas um filho:

4.6.4.1. João de Alencastro Lopes (Gurgel) se casou com Isabel de Jesus Bezerra, filha de Miguel Pontes e Adriana de Jesus Bezerra.
4.6.4.1.1. Antônia Bezerra Gurgel do Amaral (1733-?) foi casada em 1753 com Manoel Moreira de Souza.
4.6.4.1.1.1. Isabel Gurgel de Souza.

4.6.4.1.2. José Gurgel do Amaral (1735-?) se casou em 1768 com Cosma Nunes Nogueira II (1750-?), filha do Alferes Teodósio da Costa Nogueira e Cosma Nunes Nogueira I.
4.6.4.1.2.1. Venâncio Nogueira Gurgel do Amaral.
4.6.4.1.2.2. Isabel Nogueira Gurgel do Amaral (1775-?), faleceu criança.
4.6.4.1.2.3. Isabel de Jesus Nogueira Gurgel do Amaral (1777-?) foi casada em 1789 com José da Costa Lima, filho de Teobaldo da Costa Nogueira e Ana Teresa de Holanda.
4.6.4.1.2.4. Ana Isabel de Jesus Nogueira Gurgel do Amaral (1780-?) foi casada em 1800 com José Antônio da Costa, filho de Antônio da Costa e Isabel Lopes Barreira.
4.6.4.1.2.5. Matilde Francisca Nogueira Gurgel do Amaral (1782-?) foi casada com o Capitão-Mór João Paulo Barbosa (1767-?), filho de Francisco Xavier Barbosa (1745-?) e Lourença Maria de Jesus Monte Câmara.
4.6.4.1.2.6. José Gurgel do Amaral Filho (1784-?), se casou em primeiras núpcias com Quitéria Ferreira de Barros (1787-?), filha de José de Barros Ferreira Neto e Caetana Maria Micaela de Carvalho (1748-?). E em segundas núpcias com Maria Joaquina de Moura Ferreira (filha de Antônio Ferreira de Moura e Maria Joaquina), prima da sua primeira esposa (ainda não em que grau).
4.6.4.1.2.7. Helena Nunes Nogueira Gurgel (1790-?) foi casada com Teodósio da Costa Nogueira, irmão de José da Costa Lima (acima citado).

4.6.4.1.3. Inácia Maria Bezerra Gurgel do Amaral (1737-?) foi casada em 1751 com Januário Ferreira da Costa, irmão de Cosma Nunes Nogueira I (acima citada).
4.6.4.1.3.1. Feliciana Amaral da Costa (1761-?).
4.6.4.1.3.2. Alexandre Amaral da Costa (1765-?).

4.6.4.1.4. Maria Inácia Bezerra Gurgel do Amaral foi casada em 1755 com Francisco Xavier de Souza, irmão de Cosma Nunes Nogueira I (acima citada).
4.6.4.1.4.1. Joana Gurgel de Souza.
4.6.4.1.4.2. Maria Gurgel de Souza.

Os genealogistas acreditam que David Lopes de Barros tenha sido um nome disfarçado, tendo em vista o contexto histórico em que a família Gurgel do Amaral/Amaral Gurgel estava envolvida.
Concordo com tal hipótese, sendo tal família tão importante a linhagem estaria bem documentada. Vale mencionar que, apenas na geração dos netos do casal David-Maria, os sobrenomes Gurgel e Amaral foram "ressuscitados".
Considerando o comentário do RootsWeb "TODAS as irmãs de José se casaram com parentes próximos (tio, primo, irmão) de Cosma, sua futura esposa."
E utilizando o critério de eliminação pela lógica:
* Januário Ferreira da Costa era irmão de Cosma Nunes Nogueira II, mulher de José Gurgel do Amaral.
* Francisco Xavier de Souza era tio (paterno) de Cosma Nunes Nogueira II, mulher de José Gurgel do Amaral. Inclusive Aldysio comenta em sua obra nas entrelinhas que "era tio de Januário Ferreira da Costa". Considerando a combinação de sobrenomes, se supõe que o era por via paterna.
 Restando apenas:
* Manoel Moreira de Souza que deve ter sido primo de Cosma Nunes Nogueira II, mulher de José Gurgel do Amaral.
E há ainda José Antônio da Costa, filho de Antônio da Costa que muito provavelmente pertence a mesma família, considerando que possui o mesmo sobrenome.
Ainda pretendo esclarecer melhor tais lacunas genealógicas, pois ainda ficaram dúvidas pessoais.

Baseado em pesquisas e na obra de Aldysio Gurgel do Amaral, autor de Na Trilha do Passado - Genealogia da Família Gurgel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário